terça-feira, 25 de setembro de 2007

mamãe sou arquiteta e decidi mostrar a você, o que me revolta...

Chega de elogiar, agora vou exercer um dos meus melhores atributos: reclamar. Para começar segue link http://www.vitruvius.com.br/drops/drops06_09.asp, com uma imagem catastrófica.


Meu lado autoritário sempre acha um absurdo, meu lado bonzinho sempre pensa: "Poxa, é a casa do sujeito. Ele faz o que bem entende." Óbvio que não é bem assim, quando se analisa as leis relacionadas à Patrimônio Histórico o imóvel com valor histórico, artístico, cultural etc pertence à sociedade e não mais ao indivíduo. Teoricamente elas são bem interessantes, por exemplo se o bem tombado precisar de alguma reforma urgente para não tombar de vez o estado cobre os gastos. Mas na prática isso é um processo tão lento, demorado e cheio de tantas comprovações que o bem cai mesmo. Existem casos em que os proprietários ao pressentirem a possibilidade de tombamento do imóvel, tombam o imóvel de fato e criam um estacionamento no local. (eba!)

No caso do link foi pior, pois ainda veio um arquiteto e deu uma "mexida" na fachada transformando-a num troço neoclássico. Eu fico pensando no arquiteto e em como ele se sentiu fazendo isso ou se ele nem sabia o que estava fazendo ou se ele ganhou bem ou se ele odeia o Oswaldo Bratke. Não cheguei a nenhuma conclusão que fosse justificável. Se fosse por dinheiro, eu em minha fase assalariada miserável até daria um desconto, talvez o cara tenha 6 filhas e todas elas querem uma Barbie nadadora, mas acho que mesmo assim não vale a pensa sujar o próprio nome (pode ser que ele tenha criado um heterônimo)

O engraçado disso tudo é que o cara que mandou a foto é um outro arquiteto, de Curitiba que em 2002 quando estive no meu primeiro ENEA (que foi em ctba), o vi falando de Patrimônio e me interessei pelo assunto. Mas esse parágrafo é só pra registrar minha nostalgia.

4 comentários:

José Marcos disse...

Todos sempre terão seus motivos. Meus tios, pelo que ouvi dizer, acabaram com a fachada de uma das casas mais bonitas de Varginha, que era a do meu bisavô, para que não fosse tombada. Espero que por bom motivo. Quem perde é a cidade. A verdade é que hoje em dia as pessoas pouco se importam, ninguém quer dor de cabeça. Não dá tempo. Não há sentimento. Inda mais por uma casa... Quando fiquei sabendo das transformações na casa, nem quis ver foto de como está agora, nem quis ouvir descrição. Deixa minha memória como está.

Anônimo disse...

Tem uma sugestão de presente de aniversário a um(a) arquiteto(a) primeiro anista?

Harissa disse...

Depende do(a) estudante, se a pessoa gostar de ler tem vários livros bem legais, mas são meio caros, mas vale a pena. Aí depende do assunto que a pessoa mais gostar... se gostar de paisagismo tem os Volumes 1 e 2 do Árvores Brasileiras que é bem útil pra facul, aí tem tb sobre arquitetos que é bem legal. Se vc quiser apresentar algum arquiteto bacana, tem o grupo do MVDR, tem a Zaha Hadid, enfim tem que perguntar qual o assunto que a pessoa curte.

Se não for do tipo leitor(a) é legal, da canetas e materail de desenho. Para canetas indico um estojo da stabilo, que vale a pena ter. Lapiseiras 0,3/0.5/0,7 e 0,9 são úteis tb...

Vc pode tb dar um curso de autocad, photoshop, corel ou 3d...

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.